O FUTURO DO ATLÉTICO EM CAMPO (PARTE 2)

10700649 10152739985636565 2879372043884647680 o O FUTURO DO ATLÉTICO EM CAMPO (PARTE 2)

Foto: Centim Vicentim

Entrei cedo para o estádio. Por ser o primeiro dia de uso do cartão Galo Na Veia como ingresso, não sabia se tudo funcionaria corretamente. Não podia me atrasar, pois queria registrar a entrada dos mascotinhos em campo. Tirei o GNV do bolso com comprovante de pagamento, documento com foto, cartão de vacina, carta da minha mãe e… APROVADO! Catraca sem fila, cartão no leitor e 2 segundos depois eu já descia as escadas do Independência.

Tão organizada quanto a entrada da torcida foi a entrada das crianças no gramado. Todas em fila, caminhando até o meio-campo ao lado dos funcionários que sempre têm muita paciência com a meninada. Utilizei o zoom da filmadora para conferir como seria a cena após a nova regra da CBF, que limita o número de vinte e duas crianças em campo. Quando o vigésimo segundo mascote passou pelo portão que dá acesso ao gramado, calculei que ainda havia aproximadamente outros trinta na fila.

Creio que o árbitro irá relatar na súmula que o clube dificultou o trabalho dos organizadores ao permitir a entrada de diversos indivíduos com excesso de paixão, apesar da pouca idade, e que os atletas correram risco de vida, inclusive quando uma garotinha foi retirada do pescoço do goleiro Victor. Como não existe nada no regulamento que proíba a entrada das crianças, o Galo mantém a tradição que alegra um pouco mais a ida aos estádios.

Aliás, após sermos prejudicados mais uma vez no campeonato, recomendo ao Presidente que passe na Praça Sete antes do próximo jogo e recolha toda criança que queira entrar em campo com o time do Atlético. Teremos vinte e dois mascotinhos para cada árbitro ruim, para cada decisão da CBF que não acrescente nada ao nosso futebol. Haja estádio!

Parabéns a todos os funcionários do Clube Atlético Mineiro que compraram essa briga e alegraram o domingo de dezenas de famílias no Independência.

Fael Lima

ABRAÇO, MASSA!

Twitter | Facebook

Youtube 1 | Google +

ATLETICANOS ENCONTRAM PORTÕES FECHADOS NO ITAQUERÃO

232323 ATLETICANOS ENCONTRAM PORTÕES FECHADOS NO ITAQUERÃO

Foto: Beto Caetano

Se a primeira impressão é a que fica, alguns Atleticanos que foram até o Itaquerão pela primeira vez nesta quinta-feira não terão boas histórias para contar sobre o novo estádio do Corinthians. Após quase duas horas de metrô e quinze minutos de caminhada, torcedores encontraram as bilheterias do setor visitante fechadas.

O Atleticano Beto Caetano aproveitou a partida para matar a saudade do time do coração, já que vive na Argentina. Beto conta que funcionários do estádio informaram que a venda foi encerrada para a torcida visitante por questão de segurança, já que corintianos estavam comprando ingressos no setor. Henrique Rocha também não conseguiu comprar o bilhete de entrada e afirma que muitos Atleticanos desistiram da espera e decidiram voltar para casa.

Um comandante da polícia estava no local e informou que a ordem de proibir a venda partiu do Corinthians. Somente aos quinze minutos do segundo tempo, após a chegada da imprensa, os funcionários do Itaquerão liberaram a entrada da torcida visitante. Antes do jogo, o site do Corinthians informava que o ingresso no setor seria vendido a 50 reais, mas ninguém pagou ao entrar.

A Massa volta ao Itaquerão no dia primeiro de outubro, data da primeira partida pela Copa do Brasil.

Fael Lima

ABRAÇO, MASSA!

Twitter | Facebook

Youtube 1 | Google +

SEM FINALIZAÇÃO, SEM VITÓRIA

15147933396 5d7a68d00e z SEM FINALIZAÇÃO, SEM VITÓRIA

Foto: Bruno Cantini

Assim como empatar com o Coritiba no Couto Pereira, perder para o Flamengo no Maracanã, empatar com o Figueirense no Orlando Scarpelli, perder por um gol para o Corinthians no novo Itaquerão pode ser considerado algo normal para qualquer equipe do país. Porém, os resultados sempre deixam a sensação de que era possível trazer os três pontos para BH. Sempre o maldito ‘se’… se não fosse aquele pênalti, se não fosse o gol contra, se aquele jogador não estivesse lesionado, se aquela bola tivesse entrado…

Tardelli correu muito na Seleção, voltou e entrou em campo para enfrentar o Corinthians. É o mais lúcido no ataque Atleticano, mas não encontra ninguém para lhe acompanhar nas jogadas rápidas. Carlos foi quem mais tentou, quando errava e perdia a bola, voltava para ajudar a defesa. Saiu no intervalo e Guilherme não resolveu o problema da criatividade no meio.

Quando o time se aproximava da área corintiana e a jogada chegava nos pés de Jô, a zaga paulista não encontrava dificuldade alguma para recuperar a posse de bola. As finalizações que levaram maior perigo ao gol de Cássio partiram do zagueiro Leo Silva. Sem Dátolo e Maicosuel, Levir terá que rever a formação atual. Se Guilherme é a única opção no meio e Jô não dá sinais de que deixará a má fase para trás, que Carlos assuma a função de centroavante e Guilherme continue como titular.

A derrota é o retrato da oitava posição no campeonato. Não é o fim do mundo, mas o Atlético pode muito mais. Apesar de entrarmos em campo contra o Grêmio buscando uma vitória para continuarmos sonhando com o G4, será difícil não pensar nesse mesmo Corinthians, dessa vez pela Copa do Brasil. Quando tá valendo, tá valendo.

Fael Lima

ABRAÇO, MASSA!

Twitter | Facebook

Youtube 1 | Google +