Fred e Pratto podem jogar juntos? A Juventus pode ser a resposta

Por:
06/02/2017 - 11:40

A análise foi produzida por Henrique Vianna, pesquisador no Núcleo de Pesquisa e Estudos em Futebol na Universidade Federal de Viçosa e Treinador de futebol da Associação Acadêmica Atlética LUVE.

Fred e Pratto podem jogar juntos?

Essa é a pergunta que torcedores, imprensa e comissão técnica fazem dia após dia. Para Roger Machado a utilização de Fred e Pratto ocorreria apenas em momentos de grande necessidade. Segundo o treinador a utilização de ambos atrapalharia o equilíbrio da equipe, pois o time perderia em profundidade pelos lados e deixaria de ter um “10” específico para pensar o jogo.

No último dia 04/02 contra a Tombense Roger mudou o sistema de jogo do time e resolveu escalar Pratto e Fred juntos. O treinador mudou do 4-2-3-1  para 4-3-1-2 tendo Cazares como armador central, Pratto como um atacante de mais movimentação e Fred como referência. O time com Yago (depois Ralph), Carioca e Danilo dava um maior suporte defensivo para a equipe. Porém vale lembrar que o Galo atuou sem Luan e Robinho, jogadores ofensivos e de grande importância para as ambições do clube.

Quando Roger tiver todos jogadores a sua disposição, ele conseguirá manter a escalação com Fred e Pratto juntos?

Massimiliano Allegri da Juventus de Turim teve a mesma dor de cabeça no processo de montagem do seu time no começo da temporada 16/17. A equipe italiana gastou 90 milhões de euros para contratar Gonzalo Higuaín mesmo contando em seu elenco com jogadores como Paulo Dybala e Mario Mandzukic para o setor ofensivo. Para Allegri devido a capacidade de decisão de seus jogadores, seria difícil deixar um no banco de reservas.

Allegri colocou Higuain como homem de referência do ataque da Juventus, enquanto Dybala joga por trás dando velocidade ao jogo e entrando na área sempre para finalizar. Para que Mandzukic pudesse jogar, Allegri tira um coelho da cartola e de maneira surpreendente passou a escalar o croata aberto no lado esquerdo do ataque. Mandzukic jamais havia atuado por ali e se destacou em toda a sua carreira como homem de referência no  Wolfsburg e Bayern de Munich.

 

Nas imagens acima vemos Mandzukic como homem de referência no ataque do Bayern


 
Parecia inimaginável um centroavante de 1,87 m ser deslocado para o lado para que contribuísse com infiltrações e gerando espaço para o seu time na fase ofensiva. Porém, Mandzukic sempre foi um centroavante que não se limitava a ficar parado no meio dos zagueiros esperando pela melhor oportunidade, o croata sempre foi um jogador de muita movimentação que muitas vezes contribuía para as infiltrações de Robben, Ribery e Muller na temporada 12/13.

Na imagem podemos observar a mudança de posição de Mandzukic na Juventus em relação ao que fazia no Bayern durante a fase ofensiva.
 

Higuaín atua como o homem de referência na Juventus enquanto Dybala atua um pouco mais atrás e Mandzukic bastante aberto gerando espaço e criando linhas de passes
 
Na imagem vemos o posicionamento de Mandzukic durante a fase defensiva
 

/

Perceba que Mandzukic recompõe e fecha a linha de passe pelo lado esquerdo não permitindo o apoio do lateral adversário, enquanto Dybala e Higuaín marcam a saída de bola.
 
Mas o que o Galo tem com isso?

Lucas Pratto assim como Mandzukic sempre foi um jogador de muita movimentação buscando espaços na defesa adversária e contribuindo para o apoio dos extremos. Pratto chegou ao Galo em 2015 após uma excelente passagem pelo Vélez Sarsfield da Argentina. No Vélez, Pratto não era o homem de referência no ataque, mas sim Mauro Zarate. Pratto joagava na linha de trás atuando nos três corredores e sem guardar posição.

As imagens acima mostram que Pratto não se limita em atuar apenas em uma zona do campo
 
Pratto é um jogador de movimentação constante sempre buscando criar linhas de passe. No time de Roger Machado, Pratto poderia jogar em qualquer um dos três corredores por trás de Fred assim como fazia com Zarate quando atuava no futebol Argentino. Ao lado de Robinho e Luan (imaginando eles como titulares) que são jogadores agudos, Pratto poderia atuar no corredor central, mas sem guardar posição com os três sempre se movimentando e trocando de lugar um com o outro para desorganizar a defesa adversária.

O propósito do texto não é de criticar o treinador Roger Machado, tão pouco querer comparar o Galo com a Juventus de Turim, até porque existem algumas diferenças nas características entre os jogadores citados, na cultura de jogar entre as duas equipes e na cultura dos países onde os times estão inseridos. O ideia do texto é de mostrar que existem maneiras de escalar Pratto e Fred juntos desde o início da partida. Para que isso ocorra o time terá de treinar de maneira exaustiva até cada um dos jogadores compreenderem de maneira muito clara qual o seu papel dentro do campo, tanto nas fases ofensiva e defensiva como nas transições.