Guia: O Atlético na Libertadores 2017

Por:
07/03/2017 - 10:24

Em 2017, o Atlético disputará a sua 5ª Libertadores seguida. Entre os clubes brasileiros, apenas o São Paulo teve mais participações consecutivas (sete). Vencedor em 2013, o Galo tomou gosto pela principal competição do continente. “La Copa”, como dizem os adversários, se tornou obsessão. A estreia alvinegra no torneio será no dia 8 de março, contra o Godoy Cruz, em Mendoza, na Argentina.

Na expectativa pelo início do torneio, o Camisa Doze preparou um guia especial no qual, analisaremos o momento atual do time alvinegro e abordaremos o retrospecto do Atlético nas últimas participações.

Atlético inicia Libertadores ainda em construção

Foto: Bruno Cantini / Atlético

Antes de estrear na Libertadores, o Atlético foi pouco testado nos jogos do Campeonato Mineiro e Primeira Liga. Em nove jogos, foram sete vitórias, um empate e uma derrota. Bons resultados, mas que precisam ser relativizados em razão do baixo nível dos adversários enfrentados.

Embora Roger Machado tenha procurado fixar uma equipe titular nos primeiros jogos da temporada, o Atlético ainda se mostra uma equipe em construção. O treinador chegou para implantar conceitos modernos, que também são mais complexos de serem assimilados. Por isso, o time atleticano ainda oscila durante as partidas. As dificuldades são totalmente compreensíveis, já que o Galo foi um time muito mal treinado em 2016 e terminou a temporada jogando um futebol pobre e nada coletivo

Com Roger, a equipe já apresenta indícios de mudanças importantes. Defensivamente o time vem se equilibrando, jogando de forma mais compacta e oferecendo menos espaços aos adversários. Na construção das jogadas, a equipe busca ampliar o repertório, deixando de lado as excessivas ligações diretas do período de Marcelo Oliveira.

Apesar das evoluções gradativas que estão sendo apresentadas, o Atlético chega para a Libertadores ainda sem uma identidade bem definida e com diversos aspectos a serem corrigidos em seu jogo. A equipe terá que melhorar ao longo das partidas e nada melhor que o início da Libertadores para colocar todo esse processo em teste.

Tabela do Atlético na competição

Para a temporada 2017, a Conmebol alterou o calendário da Copa Libertadores. A competição que antes era disputada em apenas um semestre, agora vai durar toda a temporada, tendo maior intervalo entre os jogos. Após a estreia, que acontece nesta quarta-feira (8), contra o Godoy Cruz na Argentina, o Atlético só volta a jogar pela Libertadores no dia 13 de abril, contra o Sport Boys-BOL.

Arte: Camisa Doze / Miguel Saddi

Inscritos e provável equipe titular

Arte: Camisa Doze / Felipe Silva

Durante os jogos que antecederam a estreia na Libertadores, Roger Machado realizou alguns testes e variações táticas em sua equipe. Mas a tendência é que a equipe titular do Atlético seja posicionada em um 4-4-2, que varia para um 4-2-3-1 no momento ofensivo. Marcos Rocha, Leonardo Silva, Gabriel e Fábio Santos formam a primeira linha de quatro defensores.

No meio de campo, Otero, Elias, Carioca e Danilo compõem a segunda linha de quatro no meio de campo. Fred e Robinho formam o ataque, com o segundo tendo liberdade para recuar e ser o armador da equipe.

Arte: Camisa Doze / Felipe Silva

Em busca do segundo título

Arte: Camisa Doze / Felipe Silva

Agora vamos lembrar um pouco do histórico recente do Atlético no torneio. Após a heroica conquista de 2013, o Galo teve participações importantes na Copa, embora não tenha chegado novamente a disputar uma final ou semifinal.

Arte: Camisa Doze / Felipe Silva

Em 2014, ainda irregular pelo início de trabalho de Paulo Autuori, o Atlético teve uma classificação tranquila na fase de grupos, ainda que não tenha brilhado e feito grandes jogos. Encarando Zamora-VEN, Independiente Santa Fé-COL e Nacional-PAR, o time atleticano teve três vitórias e três empates, marcando oito gols e sofrendo cinco no grupo 4.

Naquele ano, o Galo foi eliminado nas oitavas de final para o Atlético Nacional-COL. Em um jogo em que Victor foi o melhor jogador atleticano na partida, a equipe alvinegra perdeu por 1 a 0  no Atanasio Girardot. No Independência, o Galo reagiu, chegou a igualar o confronto com gol de Fernandinho, mas sofreu o empate no final da partida e caiu para a equipe colombiana no Horto.

Arte: Camisa Doze / Felipe Silva

Na temporada 2015, o Atlético teve vida dura na fase de grupos, fazendo sua pior campanha nos últimos anos. No grupo 1, o time comandado por Levir Culpi enfrentou Colo-Colo-CHI, Atlas-MEX e Santa Fé-COL. Perdeu três partidas e venceu outras três, se classificando com muito sofrimento ao vencer o Colo-Colo por 2 a 0 no Horto, com golaço de Rafael Carioca.

A exemplo de 2014, o Galão da Massa acabou eliminado nas oitavas de final. Foram dois confrontos emocionantes contra o Internacional de Diego Aguirre. No Horto, o Galo arrancou um empate no último minuto da partida, com gol de Leonardo Silva. Em Porto Alegre, a defesa acumulou falhas e embora o Atlético tenha feito um bom jogo, acabou perdendo por 3 a 1 para o Colorado.

Arte: Camisa Doze / Felipe Silva

No ano passado, o Atlético disputou a Libertadores sob o comando do uruguaio Aguirre, algoz de 2015. Na fase de grupos, o Galão enfrentou Melgar-PER, Colo-Colo-CHI e Independiente Del Valle-QUE. O alvinegro fez uma campanha tranquila, vencendo quatro jogos, empatando um e perdendo uma partida para o Del Valle, vice-campeão do torneio em 2016.

Se em 2014 e 2015 o Galo não passou das oitavas, em 2016 a história foi diferente. O Atlético teve duros confrontos contra o Racing-ARG. No Cilindro de Avellaneda, a equipe alvinegra segurou o empate em 0 a 0. A volta foi no Horto E com sofrimento. Carlos abriu o placar, mas Lisandro Lopez empatou para a equipe argentina. O 1 a 1 classificava o Racing e persistiu no placar até o final do segundo tempo, quando Lucas Pratto marcou de cabeça e classificou o Atlético.

Nas quartas de final, o adversário foi o São Paulo. Em jogo muito disputado no Morumbi, Michel Bastos marcou para a equipe paulista, que venceu por 1 a 0. Em Belo Horizonte, o Atlético chegou a se recuperar rapidamente, marcando dois gols no início do jogo no Horto. Mas o tricolor paulista fez o gol que precisava, segurou o resultado e eliminou o Atlético no Independência.