Atlético x Vila Nova – A escolha de Dorival

O Atlético, que ocupa a terceira posição no campeonato, recebe o Vila Nova, quinto colocado, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, nesse domingo, às 16 horas.

Insatisfeito com as últimas atuações do Atlético, Dorival Junior fará alterações em todos os setores do time. Na defesa, Leonardo Silva entra no lugar de Werley, enquanto Jackson e Eron substituem Serginho e Leandro nas laterais. Toró deve forma a dupla de volantes com Richarlyson e Renan Oliveira deve ser o único meia no time titular. Wesley, Jobson e Ricardo Bueno formam o trio de ataque que treinou durante a semana. No banco de reservas, as novidades são Wendel e Bernard, meias formados nas categorias de base do Atlético.

Leonardo Silva é a aposta do técnico para que o Atlético quebre uma sequência ruim. O Galo não encerra uma partida sem levar pelo menos um gol, desde novembro de 2010. A escolha quebra uma sequência impressionante de Werley, pois o jogador foi o que mais entrou em campo pelo alvinegro em 2010. Dos 77 jogos do time na temporada, Werley disputou 60, sendo 56 como titular; e há 13 jogos o zagueiro não leva um cartão amarelo.

Se Werley sucumbiu às críticas e cobranças da torcida, Ricardo Bueno mostra que tem créditos com Doriva Junior e ganha nova chance nesse domingo. O atacante terá que mostrar trabalho rápido, ou inevitavelmente será alvo de vaias, já no primeiro tempo.

Com a derrota do América, o Galo pode alcançar a vice-liderança caso vença, ficando próximo do Cruzeiro, que tem 1 jogo a mais. O Vila Nova perdeu a quarta posição para o América de Teófilo Otoni nessa sexta e quer recuperá-la diante do Galo. O Leão do Bonfim tem 11 pontos na competição e 10 desses foram conquistados fora de casa.

Apesar dos últimos resultados, a torcida atleticana deve comparecer em bom número na Arena do Jacaré, esperando que o Galo lhe presenteie com uma goleada na semana de aniversário do clube.

Parabéns pra você, nas arquibancadas, e sem balão-surpresa em campo. Vai pra cima deles Galo!

 

ABRAÇO NAÇÃO!

Fael Lima

www.twitter.com/cam1sado2e

*Fotos de Bruno Cantini no Flickr Oficial do Clube

Tucho e Marinho – Os atleticanos que forem à Arena do Jacaré encontrarão dois antigos conhecidos da torcida: Tucho e Marinho.

Tucho vestiu a camisa do Atlético em 61 jogos e marcou 11 gols. Destaque para os 3 no clássico contra o Cruzeiro em 2004, onde o Galo venceu por 5 a 3.

Marinho jogou em 68 partidas e marcou 28 gols de 2006 a 2008. Foi o destaque do time na Série B, marcando o gol do título e levando a chuteira de ouro da Revista Placar.

 

Relacionados para o jogo Atlético x Vila Nova:

Goleiros: Renan Ribeiro e Giovanni.

Laterais: Eron e Leandro.

Zagueiros: Leonardo Silva, Réver e Werley.

Volantes: Zé Luís, Toró, Richarlyson.

Meias: Mancini, Wendel, Bernard, Renan Oliveira e Jackson.

Atacantes: Ricardo Bueno, Jobson, Magno Alves, Neto Berola e Wesley.

 

 

Atlético x Iape – Adeus Iape!

Desde que chegou no Atlético, entre um jogo e outro, Dorival Junior tem procurado manter uma base fixa no time titular. Diferente de Luxemburgo, com Dorival os torcedores sabem na ponta da língua a escalação do Atlético quando não há desfalques por contusão ou suspensão. Com essa política de entrosamento, o time escapou do rebaixamento e por isso o treinador vem repetindo a fórmula nesse ano.

Dos 11 jogadores titulares no primeiro jogo de 2011, contra o River Plate, o treinador repetiu 9 contra o América, pelo Mineiro. Somente a lateral direita e o ataque tiveram mudanças, com a saída de Rafael Cruz e Jobson para a entrada de Zé Luís e Neto Berola.

Nessa quarta-feira, contra o Iape, pela Copa do Brasil, essas duas posições podem novamente trazer uma dor de cabeça para o técnico. Richarlyson está relacionado para a partida, mas aguarda liberação do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, já que cumpre suspensão por uma expulsão no Campeonato Brasileiro. Caso não jogue, Serginho ocuparia o setor, deixando a lateral com Jackson.

No ataque fica a dúvida entre Neto Berola e Magno Alves para jogar ao lado de Diego Tardelli. Contra o Iape e nos minutos que esteve em campo contra o América, Magno Alves não repetiu as boas atuações do começo do ano e, com o bom momento de Neto Berola, Dorival pode repetir a dupla titular do último domingo.

No último treino, a novidade foi Eron, substituindo Leandro que reclamou de dores no joelho. No início do ano, Eron levou o Galo à Justiça, tentando desligar-se do clube. Será a sexta partida do lateral sob o comando de Dorival Junior.

Se for verdade o ditado que diz que ‘um raio não cai duas vezes no mesmo lugar’, o Atlético não deve repetir a péssima atuação do Maranhão. O Galo tem tudo para sair com a classificação para a próxima fase da Copa do Brasil, mas precisa deixar a covardia que tomou conta do time nas duas últimas partidas.

Peço paciência aos torcedores que estiverem na Arena do Jacaré, caso o Galo não abra um placar elástico no início da partida. Esqueçam o resultado de domingo e apoiem enquanto a bola estiver rolando. Deixemos nas mãos do nosso técnico, pois esse sabe o que faz.

Alguns jogadores do Iape devem ficar em Belo Horizonte, contratados pelo nosso rival azul. Peço então, aos jogadores do Galo, que apliquem uma goleada histórica para que eles não tenham dúvida que serão rivais do Galo Forte e Vingador, o maior de Minas.


Saída – O dia foi movimentado nos bastidores do Atlético. Enquanto a imprensa noticiava a proposta de um clube russo por Werley, o Presidente do Vasco, Roberto Dinamite, garantia a apresentação de Diego Souza nessa quarta-feira. No Palmeiras, o nome de Ricardo Bueno ganhou força para assumir a camisa 9. Apesar das críticas da torcida atleticana, o atacante foi elogiado por Felipão que espera contar com o jogador em 2011.

Zé Luís – Se entrar em campo contra o Iape nessa quarta-feira, Zé Luís estará vestindo a camisa do Atlético pela centésima vez em jogos oficiais. O jogador fez parte da campanha de 2004 e voltou para o Atlético no início de 2010. Na última temporada, o volante esteve em campo em 45 ocasiões, sendo 44 como titular.

Dos 6 gols marcados com a camisa do Atlético, 2 foram no ano passado, contra o América, pelas quartas-de-final do Mineiro, e contra o Corinthians, pelo Brasileiro.

O jogador tem contrato até o fim do ano com o Galo.

ABRAÇO NAÇÃO!

Fael Lima

www.twitter.com/cam1sado2e

*Fotos de Bruno Cantini no Flickr Oficial do Clube

Atlético x América – Vídeos (parte 2)







Atlético x América – Vídeos (parte 1)







Primeiro passo

Mais uma Copa do Brasil começa para o Atlético nessa quarta-feira. O Galo irá ao Maranhão enfrentar o Iape, clube jovem, que provavelmente será mais uma vítima dessas goleadas que fazem os atacantes subirem no ranking de artilharia do clube.

Acho que vem uma vitória fácil, mas eu sou torcedor, então espero que os profissionais em campo e o técnico Dorival não acompanhem meu raciocino e joguem como uma final de campeonato.

Sem dúvida, o atacante que enfrentaria o Iape com muita seriedade seria Obina, que no ano passado marcou 5 gols na estreia da Copa do Brasil, ganhando confiança para os jogos seguintes. Marques também marcou um gol naquele jogo, após muito tempo sem balançar as redes.

Além dessa confiança que se adquire, jogadores que enfrentarão concorrência pela posição, como Werley, Serginho e Renan Oliveira têm pela frente uma missão chata, pois se jogarem bem, não fizeram mais que o necessário, e caso não façam uma boa partida, terão suas posições ameaçadas pela turma que volta do Departamento Médico, como Toró, Leonardo Silva e até mesmo Daniel Carvalho.

Dorival Junior não precisa de mágica para voltar com a classificação e por isso a escalação não terá surpresas, exceto na lateral direita.

Quando um jogador é improvisado em determinada posição, normalmente ele terá chances contra clubes pequenos e, caso obtenha um bom desempenho, ganhará a vaga em jogos decisivos. Com o meia Jackson a história foi diferente, já que o meia recebeu a notícia que jogaria improvisado na lateral direita na véspera do clássico contra o Cruzeiro. O jogador atuou bem e pode ser usado por Dorival Junior mais uma vez nessa quarta-feira, contra o Iape. Serginho deve voltar ao meio, já que Richarlyson está suspenso, pois foi expulso no Brasileiro, quando jogava no São Paulo.

Caso os maranhenses queiram conhecer Minas Gerais, desde já se considerem convidados a comparecer na Arena do Jacaré, onde lhes receberemos com muito prazer, desde que não seja no jogo de volta da Copa do Brasil.

Tentarei não olhar nem prever quais serão os adversários nas próximas fases da Copa do Brasil, mas já guardei as caixinhas com calmantes, crendo que não precisarei deles nessa noite. Quero vitória para encher os olhos e com a diferença de no mínimo 5 gols, pois chega de marcar somente 4 gols em times pequenos.

Ah… para não esquecer, deixo uma charada para vocês. – Sabe qual time pequeno também tomou de 4 e tem uma parceria com o Iape?

É bom ganhar da filial. É melhor ainda ganhar da matriz.

Vai pra cima deles Galo!

ABRAÇO NAÇÃO!

Fael Lima

www.twitter.com/cam1sado2e

**Fotos de Bruno Cantini no Flickr Oficial do Clube.

Que Galo é esse?

Que Galo é esse?

Que Galo é esse que centenas calam milhares a dezenas de quilômetros de distância? Que Galo é esse que invade território inimigo, toma o primeiro golpe e ainda assim seu povo canta que esse é o time da virada, o time do amor?
Esse é meu Galo! O time de um povo que não pode passar pelos portões de um estádio, mas que invade as ruas das cidades, em buzinas, em gritos, fazendo o que o povo do ingresso na mão não soube fazer.
Sem um ingresso, cada um escolheu seu canto da sorte, seu rádio preferido, a tv invicta, enquanto cadeiras vazias no estádio mostravam a vergonha do outro povo, escondidos pela certeza que seu tempo passou e o Gigante acordou.
Meu canto da sorte foi o Bar do Salomão, famoso em Belo Horizonte por receber atleticanos. E eles foram; brancos e negros, ricos e pobres, homens e mulheres, lotando o bar, as calçadas, as ruas. Cantavam palavras de incentivo o tempo todo, profetizando uma vitória, como bons alunos de Magno Alves, mostrando que a palavra tem poder.

Ao chegar, vi um rosto familiar que logo identifiquei quando abriu o sorriso. Era Dadá Maravilha, olhando para a televisão; paralisado, mudo, como se a vontade de estar em campo o sufocasse.
Preferi não ficar perto do Rei Dadá, pois minha admiração por ele poderia tirar toda a concentração do jogo. Porém, ir para o meio da Massa não ajudou a concentrar-me na partida. Do meu lado, um garoto tentava subir num carro para que pudesse enxergar a TV, enquanto à minha frente, um senhor de idade procurava um apoio para seu corpo, já que as pernas não demonstram tanta força quanto nos anos vividos no Mineirão.
Bastou um gol, apenas um gol para que eu fizesse novamente a pergunta: Que Galo é esse?

O garoto tombou o corpo para trás, deixando escorrer uma lágrima; tampou o rosto por alguns segundos, mas levantou-se e não parou mais de cantar. Sabia todas as músicas, todos os versos, regeu uma orquestra que ele guardará eternamente em suas lembranças.
Registrei uma foto, segurando as minhas lágrimas nesse momento. Foi então que vi, pulando como o garoto do carro, o senhor que já não sentia cansaço em suas pernas. Pulava como um jovem, abraçando desconhecidos, cantando que algum freguês havia voltado. Que Galo é esse? Que emociona crianças, que traz a juventude de volta em poucos segundos. Que Galo é esse?

Quando o som do apito finalizou a partida, foram tantas as cenas para repetir essa pergunta, que não conseguiria descrever aqui. Vi homens rolando pela rua, outros subindo em árvores, mulheres dançando, um trânsito parado. Era o povo desse Galo; pessoas que sobreviveram à tormenta de anos e agora dormem de alma leve, certos que a camisa preta e branca impõe respeito novamente.
O carnaval estava formado. Dadá Maravilha corria no meio da Massa como nos tempos de camisa 9 do Galo. Se alguém nunca entendera o significado da expressão ‘Massa’, ali estava uma descrição em imagem, rica de detalhes e pronta para fazer novos convertidos.
Para finalizar esse dia tão especial, o dia em que o Salomão calou a Arena, um amigo me envia uma mensagem que acabara de ler na internet e que se encaixava naquele momento único: “Gostaria que o Atlético fosse uma pessoa, pra eu poder olhar em seus olhos e dizer: Você não tem ideia do quanto eu lhe amo.”
Que Galo é esse?

ABRAÇO NAÇÃO!
Fael Lima
www.twitter.com/cam1sado2e


Quintoube – Atlético 1×1 River Plate-URU