As camisas da década

Por:
19/03/2017 - 02:45

Desde o início do acordo com a Topper, que substituiu a canadense Dry World, o Galo vem jogando com camisas consideradas temporárias, mas que estão sendo vendidas na loja do clube. No dia 10 de abril a Topper, nova fornecedora de materiais esportivos, lançará a coleção de uniformes definitiva para a temporada 2017.

Modelo provisório que está sendo utilizado pelo Galo no início do ano / Foto: Bruno Cantini - Atlético

Em todos os anos o novo uniforme alvinegro é cercado por muita expectativa. Para o torcedor, o manto é sagrado, representando a identidade e as tradições dos clubes. Além das duas camisas de jogo, o uniforme de treino passou a atrair foco nos últimos anos. Por isso, nesta matéria especial, o Camisa Doze recorda as camisas do Galo na década de 2010.

As camisas principais do Galo na década de 2010 / Arte: Miguel Saddi - Camisa Doze

2010 

Em 2010, a Topper, atual fornecedora, chegava ao Atlético pela primeira vez na história, substituindo a italiana Lotto. Também foi a estreia da marca do Banco BMG (que patrocinou o clube até 2014) estampada no espaço mais nobre do uniforme.

Como em 2017, a Topper lançou uma linha provisória no início do ano. A camisa principal tinha o número amarelo, mantendo uma estética parecida com o uniforme de 2009 produzido pela Lotto.

No início de 2010, Galo usou camisa tampão fabricada pela Topper / Foto: Bruno Cantini

No lançamento da linha definitiva, o uniforme principal teve novidade de impacto. As tradicionais listras foram descontinuadas na altura dos ombros por uma faixa preta que se estendia até às mangas. Já o segundo uniforme manteve as características tradicionais.

Uniforme principal de 2010 não agradou boa parte da torcida / Foto: Bruno Cantini

Mas a principal novidade ficou por conta do uniforme de treino. A camisa predominantemente rosa dividiu opiniões entre os torcedores. Mas o fato é que o uniforme teve muito sucesso comercial. O clube vendeu cerca de 60 mil unidades, o que constituiu um recorde entre as instituições brasileiras, se tratando de uniforme de treino. Foram arrecadados cerca de R$ 700 mil.

Camisa rosa dividiu opiniões, mas teve sucesso nas vendas / Foto: Bruno Cantini

No meio da temporada, a empresa ainda lançou um novo uniforme de treino, preto com detalhes em rosa, dessa vez sem tanta repercussão.

Uma nova camisa de treino foi lançada em 2010 / Foto: Bruno Cantini

2011 

Na coleção de 2011, a Topper não foi tão ousada e inclusive se remeteu ao tradicional. Na camisa principal, três listras grandes e número vermelho, algo que não era visto desde a camisa de 2008. O segundo modelo é todo branco, sem nenhum detalhe.

1º uniforme de 2011 contou com o tradicional número vermelho / Foto: Bruno Cantini

Para o uniforme de treino, foi escolhido o verde fluorescente, porém sem a polêmica da camisa predominantemente rosa. No decorrer do ano, a Topper ainda lançou uma nova camisa de treino, preta, com detalhes em verde fluorescente.

O verde fluorescente ditou a moda nos uniformes de treino de 2011

2012

Em 2012 a Topper recorreu a uma das camisas mais lembradas pela torcida do Atlético. O modelo de 1999, ano em que o Atlético foi vice-campeão do Brasileiro, aliou tradição e novidade ao adicionar detalhes na manga, porém mantendo as três listras grossas no centro da camisa. O segundo uniforme de 2012 carrega detalhes pretos na gola, lados e mangas da camisa, além de sensíveis marcas em tom de cinza. Ambos os modelos tiveram a gola em estilo “V”.

Uniforme de 2012 foi inspirado na camisa usada em 99 / Fotos: Folha de S. Paulo e Bruno Cantini

O uniforme de treino de 2012 também é chamativo. A camisa tem a base em grená com listras douradas.

Combinação grená e dourado da camisa de treino de 2012 fez sucesso entre os torcedores / Foto: Bruno Cantini

 2013 

A camisa de 2013, por motivos óbvios, é a mais lembrada da história recente do Atlético. Mas no fardamento, a Lupo não ousou tanto. O uniforme principal tem pequenos detalhes nas laterais das listras pretas, além de detalhes dourados na gola e nas mangas. A segunda camisa conta com listras finas cinzas e número também cinza.

As históricas camisas de 2013 produzidas pela Lupo / Fotos: Bruno Cantini e AP

O modelo de treino em 2013 é laranja, com detalhes pretos. No decorrer da temporada, a Lupo lançou um novo uniforme de treino que foi utilizado no período do Mundial de Clubes. A camisa é preta com detalhes brancos.

Galo usou uniforme de treino laranja durante o ano e modelo preto em Marrocos / Fotos: Bruno Cantini e Vítor Francesconi

2014 

Em 2013, o Atlético assinou contrato de dois anos com a Lupo. Porém a empresa apresentou falhas na distribuição dos materiais, o que fez com que o Galo reduzisse o tempo de contrato. Em 2014, o clube fechou acordo com a alemã Puma.

No início do ano, o Atlético chegou a utilizar um uniforme provisório, que manteve o design do uniforme produzido pela Lupo, porém com fonte diferente no número e sem a marca da empresa estampada.

Camisa "tampão" sem marca da Lupo utilizada no início de 2014 / Foto: Bruno Cantini

Em março, a Puma lançou a nova coleção, apostando no tradicionalismo. Na primeira camisa, três listras finas e mangas completamente pretas. O segundo uniforme lembra o modelo de 2012, com detalhes pretos nos lados, ombros e mangas da camisa.

Uniformes usados em 2014, ano da conquista da Copa do Brasil / Foto: Bruno Cantini

O uniforme de treino, tal qual o modelo de 2013, é amarela, com detalhes pretos.

Uniforme de treino usado em 2014 / Foto: Bruno Cantini

2015

Em 2015, o Galo iniciou a temporada com uniforme tampão, pois o clube trocou seus patrocinadores. A MRV se tornou patrocinador master, com a Cemil estampando os ombros e Vilma nas mangas.

Modelo de 2014 foi adaptado no início de 2015 para receber novos patrocinadores / Foto: Bruno Cantini

Para a coleção definitiva, a Puma apresentou novidades em relação aos modelos do ano anterior. A primeira camisa teve três listras mais grossas na parte frontal, porém sem listras nas costas. O segundo uniforme conta com losangos prateados, em tom bem claro, além de detalhes pretos nas mangas e na gola.

Uniformes produzidos pela Puma em 2015 / Foto: Bruno Cantini

Na temporada 2015 o Atlético voltou a ter um terceiro uniforme, o que não acontecia desde 2008. A Puma lançou um uniforme predominante preto. O Galo usou a camisa conhecida como "Galo Ninja" em apenas dois jogos: nas vitórias contra São Paulo, no Mineirão e contra o Coritiba, no Couto Pereira.

Em 2015, Galo voltou a usar um 3º uniforme após sete anos / Foto: Bruno Cantini

Para o uniforme de treino, a Puma apostou no verde com detalhe preto no peito.

Camisa de treino predominantemente dourada usada em 2015 / Foto: Bruno Cantini

201

Na temporada 2016, o Atlético novamente iniciou o ano com camisa tampão, disputando a jogos do Mineiro e Primeira Liga com a camisa de 2015. A modificação no uniforme ficou por conta dos patrocinadores. A MRV passou a estampar os ombros, enquanto a Caixa assumiu a área de patrocinador master.

Camisa tampão utilizada no início de 2016

A Dry World não apresentou grandes novidades nos uniformes. O modelo principal lembra o de 2014, com três listras finas no centro da camisa e mangas totalmente pretas. Nas costas, o grande espaço branco ao redor do número desagradou a muitos torcedores. O segundo uniforme é o tradicional branco, com detalhes simples.

Uniformes produzidos na confusa parceria com a Dry World em 2016 / Foto: Bruno Cantini

No fim do ano, a empresa canadense lançou o terceiro uniforme, todo preto, que a exemplo do modelo de 2015, foi usado em apenas dois jogos, novamente contra São Paulo e Coritiba.

Dry World lançou uniforme todo preto no fim de 2016 / Foto: Bruno Cantini

Para a camisa de treino, a Dry World apostou no tradicional laranja com detalhes pretos.

Combinação laranja e preto se tornou tradicional nos uniformes de treinos, como o de 2016 / Foto: Bruno Cantini

Agora o Camisa Doze quer saber: qual é a camisa de jogo mais bonita desta década?